Talhados um para o outro



- “A coesão étnica de uma raça, revela-se principalmente por três coisas; literatura, história e comezainas,’ escreveu Fialho d’Almeida em Os Gatos. Mas, se a literatura e a história têm os seus especialistas, sobre as comezainas qualquer um pode apregoar aos quatro ventos as suas teorias sem correr o perigo de estar a falar do que não sabe - afirmou a minha amiga Susana, a tirar um palito do paliteiro. - Desculpa lá, eu sei que é feio palitar os dentes em público, mas com o bacalhau não há alternativa.

- Suponho que toda a gente tem direito a opinar sobre o que come - repliquei. - Sim, porque se não comermos, não sobrevivemos para apregoar seja o que for.

Ela concordou com um aceno de cabeça e continuou a escarafunchar as gengivas.

- A nossa coesão étnica manifesta-se através do bacalhau, da couve portuguesa, da açorda, dos enchidos - gracejei. - Mas, cá para mim, é o alho que nos caracteriza como raça. Os transportes públicos andam cheios de exemplares étnicos a tresandar a alho.

De palito enfiado entre dois dentes, a minha amiga riu-se. - Olha o nosso exemplo - sugeriu. - Se depois desta bacalhoada nos fossemos enfiar no Metro fugia toda gente.

E a inspeccionar o palito - Ainda para mais, com esta gigantesca mancha de azeite impregnado de alho picado - concluiu, a desviar o olhar para a blusa. - Devo exalar um cheiro maravilhoso.

- Em termos de cheiro, o bacalhau não se lhe fica atrás - retorqui, a deitar a mão ao paliteiro. - Malditos fios, metem-se em todo o lado.

- Um mal menor se comparado com o prazer que dá - argumentou ela, a esfregar a nódoa com o guardanapo. - Achas que isto sai?

Eu encolhi os ombros. - Duvido - respondi. - Prega-lhes mais umas quantas e passa por padrão.

- Sou tão desastrada - lamentou-se com um ar desconsolado. - Então a comer é terrível, desde criança que sou assim.

- Por falar em desastre - comecei, maliciosa. - Tens visto o Bruno?

- O que é que queres dizer com isso - perguntou ela, desconfiada.

- Oh, nada em especial - murmurei, vaga, de olhar fixo no palito. - Constou-me.

- Constou-te o quê - inquiriu, apreensiva. - Que o tenho visto?

- Ver é com os olhos - lembrei, sarcástica. - O que me constou era mais do tipo táctil.

Ela fez uma careta. - Ok - admitiu, após uma breve hesitação. - Temos saído juntos. Ele é tão simpático, tão divertido, tão, tão

- desastrado. - completei. - Estás apaixonada por ele?

Ela negou, a descarregar no cinzeiro um enfático suspiro. - Lá estás tu a tirar nabos da púcara.

- Calma, Susana - pedi, a soprar a cinza espalhada na mesa. - Perguntar não ofende.

- Depende - resmungou ela, a esfregar as palmas das mãos na toalha. - Só porque saímos juntos um par de vezes, depreendes logo que ando com ele. Ou pior, atrás dele.

Eu encolhi os ombros - Com ele ou atrás dele, o que é que isso interessa?

- Tens razão - admitiu com um sorriso apologético. - Aposto que foi a cretina da Carmo que te contou. Ela viu-nos à porta do

- Não olhes agora - murmurei. - Que nem de propósito, ele acabou de entrar.

Quem - perguntou ela, surpreendida.

- Bruno - chamei em voz alta, a acenar. - Que coincidência extraordinária.

O rosto dela ficou da cor dos morangos que, entretanto, o empregado colocara à nossa frente. - Não é possível - murmurou.

Ele correspondeu ao aceno e veio ter connosco, mas tropeçou na perna de uma cadeira e aterrou, por assim dizer, nas costas da Susana. Numa daquelas reacções em cadeia, o impacto projectou-a para a frente e o nariz dela aterrou em cheio na minha taça de morangos.

- Ui - exclamei, a arregalar os olhos. - Talhadinhos um para o outro.

- Susana, desculpa - balbuciou ele com um ar consternado. - Magoaste-te?

- Nada - garantiu ela, nitidamente atordoada, a empurrar a outra taça na minha direcção. - É pá, Verónica, come tu estes.

- Nem penses - recusei, a olhar sugestivamente para o chão. - Os meus não hão de andar longe.

Especado à nossa frente, sem saber o que fazer, ele olhava para nós com um sorriso aparvalhado nos lábios.

- Puxa de um cadeira e abanca aí - sugeri, ao ver que nem nem um nem outro pareciam querer tomar a iniciativa.

Ele olhou em redor - Está ocupada - perguntou ao casal na mesa atrás da nossa, a apontar para a cadeira vazia.

- Tenha cuidado - avisou a mulher. - Acho que essa está um pouco desengonçada.

- Já estava antes de o amigo tropeçar nela - acrescentou o homem. - Eu topei logo e por isso troquei por esta.

- Fica com a minha - ofereceu a Susana, a fazer menção de se levantar. - Sou mais leve do que tu.

- Não te preocupes - disse ele, a abanar a cadeira pelo espaldar. - Isto aguenta.

- Não me parece lá muito sólida - afirmei, apreensiva.

A ignorar o meu comentário, ele empurrou a cadeira de modo a ficar mais perto da Susana, sentou-se e apoiou os cotovelos na mesa. - O que é que há para comer - perguntou, de olhos posto nela.

- Nós partilhámos um Bacalhau ao alho e azeite - disse ela num tom melado. - Estava uma delícia, não estava, Verónica?

De repente, a cadeira rangeu e desconjuntou-se toda. Instintivamente, ele agarrou-lhe no braço e arrastou-a na queda.

- Talhadinhos um para o outro - sussurrei, depois de me certificar que o único ferido era o ego dele.